Saturno em capricórnio (2017 – 2020)

Encontrando os períodos de facilidade e dificuldade no mapa natal
10 de dezembro de 2017
Três erros comuns na análise de mapas astrais
14 de Janeiro de 2018
Mais artigos

Saturno em capricórnio (2017 – 2020)

“(…) porque tu és pó e ao pó da terra retornarás!” Gênesis 18:27


Entre os dias 20 de dezembro de 2017 e 17 de dezembro de 2020, o Senhor do Tempo mostrará sua natureza maléfica a partir de seu domicílio noturno. Após transitar por Sagitário ao longo dos últimos anos, levando os povos que sofrem com o radicalismo religioso e econômico à diáspora moderna e descortinando ideologias reacionárias que há muito pareciam adormecidas, Saturno ingressa agora em Capricórnio, primeiro dos dois signos de seu próprio domínio. Enquanto nas terras de Júpiter fomos cobrados pela falta de estrutura dos nossos conceitos e passamos a sofrer ainda mais as consequências do falso conhecimento, em Capricórnio seremos cobrados pela forma como temos lidado com nossos instrumentos e recursos materiais: o desperdício generalizado e o acúmulo egoísta serão punidos com miséria, fome e dor. Não há espaço para conforto e abundância no deserto frio e seco de Saturno; contudo um sextil será formado com Júpiter em Escorpião durante o primeiro desses anos, fazendo-nos enxergar que no mundo há alimento e dinheiro suficiente para toda a população da Terra. O problema é que Saturno recebe mal o Grande Benéfico enquanto transita por Capricórnio, já que neste signo Júpiter encontra sua queda, havendo danos em alguns dos seus seus assuntos (prosperidade, justiça, universidade). Dessa maneira, há também o risco da ascensão de autoridades ainda mais aversivas ao próprio povo, dominando-o através da ameaça e do medo. A humanidade também sofrerá com a escassez e será obrigada a rever seus exagerados hábitos de consumo, além de destruir mecanismos que privilegiam os poucos e retiram dos muitos. Lembrem-se que Saturno é o planeta que se exalta em Libra, o signo do equilíbrio e da partilha. Em outros termos, Saturno rege a mineração, o subsolo, os ossos e as antiguidades, sendo um período propício para escavações e novas descobertas arqueológicas. Na melhor das hipóteses, também haverão reformas consistentes e a necessidade de fortalecer as bases de qualquer projeto. Dependerá da consciência coletiva o caminho que se abrirá a partir das ruínas dos dias que chegam.


Não simplifiquemos Saturno e o signo de Capricórnio, qualificando-os como conservadores. Eles são, na verdade, tradicionais, e preservam aquilo que tem condições de resistir às mudanças do tempo e do espaço. Afinal, Saturno é morte e apodrecimento, mas também pirâmides, fósseis e catacumbas. Enfim, resistência:ele destroi e constroi, e construindo edificou a primeira casa mundana do mapa natal, a casa do corpo, porque Saturno é capaz de condensar a energia a ponto de transformá-la em matéria. Já dizia Goethe: “A natureza inventou a morte para que haja mais vida.”

Saturno retorna a Capricórnio para fazer a luz se manifestar concretamente no mundo, definhando a ignorância nos aneis do sofrimento.

Guilherme de Carli