AULA SOBRE ASPECTOS

O ANO NOVO ASTROLÓGICO E AS PREVISÕES PARA O BRASIL EM 2019
19 de Março de 2019
O QUE ESPERAR DE UMA PREVISÃO?
7 de Maio de 2019
Mais artigos

AULA SOBRE ASPECTOS

Uma maneira didática de compreender os aspectos harmônicos e desarmônicos é entendê-los como pontes facilitadoras e dificultadoras que ligam dois ambientes.

Trígonos e sextis, segundo Bonatti, são da natureza de Júpiter e Vênus respectivamente, ambos planetas benéficos capazes de construir pontes seguras, belas e fáceis de se caminhar. Entretanto, nem sempre tais aspectos indicam uma relação harmônica entre planetas, mas simplesmente um caminho onde as características e eventos mostrados por cada um deles possam fluir naturalmente de um para outro. São poderosíssimos os aspectos com recepção mútua, como o exemplo de Marte em Touro em trígono com a Lua em Capricórnio: mesmo que eles estejam em seus detrimentos, um se encontra na dignidade do outro e se ajudam mutuamente (a Lua está na exaltação de Marte e Marte na exaltação da Lua) passando a luz de um signo para o outro sem grande esforço e, assim, ajudando o nativo a superar um problema e até a prosperar sobre determinados assuntos temporariamente, mas desde que estes astros estejam fortes na carta natal. Se ocorrer um trígono com má recepção, contudo, o ganho obtido pelo aspecto harmônico pode ser destruído ou vir acompanhado de algum dano. Não seria tão benéfico, portanto, Vênus em Câncer em trígono com Marte em Escorpião, pois Vênus detesta Escorpião e Marte detesta Câncer.

O mesmo ocorre com os aspectos desafiadores: a quadratura e a oposição. Enquanto a primeira possui, ainda de acordo com Bonatti, a natureza de Marte, a segunda tem a natureza de Saturno, ambos planetas maléficos, construtores de pontes escuras, tortas e perigosas. São péssimos os aspectos dificultadores e mal recebidos, como Marte em Escorpião oposto à Lua em Touro, pois além de ser um aspecto de tensão, há grande inimizade entre os planetas: Marte odeia Touro e a Lua odeia Escorpião. Ao menos neste exemplo ambos se encontram dignificados de alguma forma. Por outro lado, um aspecto desafiador com boa recepção não é tão ruim e pode trazer benefícios, como Lua em Áries em quadratura com Marte em Câncer: um se encontra no domicílio do outro. O aspecto não chega a ter a força de um trígono, aquela ponte prazerosa pela qual podemos passar, porém se mostra como como um caminho estreito e árduo cujo destino vale MUITO a pena! Uma oposição entre Sol em Libra e Saturno em Áries é mais uma imagem de uma relação complicada que gera alguns bons resultados.

Pode acontecer interações complexas como a quadratura do Sol em Touro com a Lua em Aquário: o Sol odeia Aquário e a Lua ama Touro, então a segunda sai em vantagem frente ao primeiro.
Lembrando que a Astrologia é baseada em luz, então os aspectos só podem acontecer em signos que se aspectam (aspectar é enxergar)*! Ou seja, um planeta só pode enxergar outro por quadratura em signos da mesma modalidade (ex: planeta em signo fixo quadrando outro planeta em signo fixo); por trígono em signos do mesmo elemento (ex: planeta em signo de água quadrando outro em signo de água); por sextil em signos da mesma polaridade (ex: planeta em signo masculino em sextil com outro em signo masculino); e por oposição em signos simultaneamente da mesma polaridade e da mesma modalidade (ex: planeta em signo feminino e cardinal em oposição a outro em signo feminino e cardinal). Não pode haver uma quadratura entre uma Lua em Câncer e Júpiter em Touro, por exemplo, mas apenas sextil! Por isso os gráficos “enganam” a gente com seus desenhos baseados meramente na matemática e não na teoria astrológica. Há mais um fator: um planeta no primeiro grau de Capricórnio, por exemplo, formará trígono com outro planeta no último grau de Virgem, mesmo que a orbe aparente muito ser uma quadratura. Os dois signos fluem muito bem as características de um para o outro. Este fenômeno é conhecido como “aspecto por signo” e é muito utilizado na Astrologia Helenística, sendo precioso para a análise preditiva quando se quer saber a data de ativação da interação de dois planetas. Mas claro, quanto mais próxima a orbe, mais forte e relevante será o aspecto!

*lembrando que, ao dizer que signos se aspectam, refiro-me aos planetas posicionados nos signos, pois são eles que refletem (ou, no caso do Sol, emite) a luz para vários pontos do mapa.

Guilherme de Carli